(11) 3348-4000   |   sac@craz.com.br  Localização
Intranet

A ANDROPAUSA REALMENTE EXISTE? 3 de janeiro de 2018

Dr.-Álvaro-Bosco_Saúde-do-Homem_A-andropausa-realmente-existe

Urologista da Cruz Azul esclarece questões ligadas à queda hormonal masculina

Junto com o envelhecimento masculino, é comum que haja a queda dos níveis de testosterona. No entanto, há uma variabilidade interpessoal na idade de início, na velocidade em que ocorre e no nível desta queda entre os homens, podendo haver aceleramento devido à má alimentação e ao sedentarismo.

Trata-se da andropausa, também conhecida como distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (DAEM), hipogonadismo de início tardio ou mesmo síndrome de deficiência de testosterona.

A andropausa é igual à menopausa?

Não. A menopausa é o período fisiológico que ocorre após a última menstruação. Nas mulheres, existe um número limitado de óvulos que são os responsáveis pela produção do hormônio feminino (estrogênio). Uma vez que eles acabam, as mulheres param de menstruar e não serão mais capazes de se reproduzir de forma natural. Já o envelhecimento da gônada masculina é diferente e acontece apenas a diminuição da produção da testosterona. Além disso, caso não haja nenhuma doença específica, os homens são férteis, mesmo após essa queda hormonal.

Como é produzida a testosterona?

A testosterona é o principal hormônio do homem e é responsável pelo desenvolvimento das características masculinas do indivíduo e pela função sexual. A sua produção acontece em 95% pelos testículos e 5% nas adrenais e depende do estímulo hormonal de outra glândula, a hipófise. Com o envelhecimento, os testículos diminuem a produção de testosterona, mas, normalmente, não existe a cessação, como ocorre nas mulheres.

Qual é a consequência da diminuição da testosterona?

Diminuição da libido ou disfunção erétil, diminuição da força muscular, apatia, ganho de peso e aumento da circunferência abdominal (aumento da gordura visceral) ou até a diminuição de performance no trabalho.

Como é feito o diagnóstico?

Além dos sintomas clínicos descritos, deve haver também a diminuição consistente dos níveis de testosterona através do exame de sangue.

Existe tratamento para a queda hormonal masculina?

Sim. Hoje, existem várias formas de repor a testosterona. Pode ser realizada injeção intramuscular a cada três ou quatro semanas, injeções intramusculares trimestrais ou ainda o uso de gel diariamente. Muito cuidado deve ser tomado durante a reposição hormonal e o homem deve ser sempre acompanhado por um urologista.

A reposição de testosterona causa câncer de próstata?

Não. Hoje, já temos disponíveis vários trabalhos mostrando que não há relação entre a reposição hormonal masculina com o desenvolvimento do câncer de próstata. No entanto, é sabido também que, caso o homem venha a apresentar o câncer de próstata, este pode ser “alimentado” pelo uso da testosterona exógena (aplicada artificialmente). Por isso, as avaliações com o urologista devem ser mais rigorosas, de preferência a cada quatro meses no primeiro ano.

Existem efeitos colaterais na aplicação da testosterona?

Sim. O homem pode desenvolver alopécia, aumento do volume da próstata (não relacionada ao câncer, mas sim ao crescimento benigno = hiperplasia prostática) com dificuldade miccional, alteração do sono e mudanças nos exames de sangue.

Há contraindicação para a reposição hormonal?

Sim. Pacientes com eritrocitose (aumento do número de glóbulos vermelhos no sangue), aqueles com insuficiência cardíaca, apneia do sono e histórico familiar ou pessoal de câncer de próstata devem ser muito bem avaliados antes do início do tratamento.


Por Dr. Álvaro Bosco
Urologista da Cruz Azul

 

MENU
Últimas Notícias
Cruz Azul de São Paulo
Av. Lins de Vasconcelos, 356 – Cambuci
CEP: 01538-900 – São Paulo – SP
(11) 3348-4000
Como Chegar
Prêmios & Certificações:
Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul
Links Úteis:
CBPM POLÍCIA MILITAR DE SÃO PAULO Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul
Cruz Azul 1925/2018 © Todos os direitos reservados