(11) 3348-4000   |   sac@craz.com.br  Localização
Intranet

Obsessão x Compulsão 18 de maio de 2018

Saúde-Jovem_Dr Carlos-Neumann_

Psiquiatra da Cruz Azul desmistifica as questões ligadas ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)

A sigla “TOC” virou algo corrente. Se uma pessoa se esmera na limpeza ou na organização, com o auxílio do Dr. Google, logo recebe o carimbo de ter “um tipo de mania”.

O primeiro ponto a esclarecer é que existe diferença entre traço e transtorno. Organização e noção de higiene nunca atrapalham, sobretudo no setor da saúde. Por exemplo, alguém iria a um dentista ou a um cirurgião que não fosse caprichoso nestes itens? Logo, os traços obsessivos são úteis. Já o transtorno prejudica a vida.

O que dizer de uma jovem que todo sábado precisa comprar roupas novas, porque depois de usar um vestido ou uma blusa sente a necessidade de descartá-las porque julga que as peças estão contaminadas? E alguém que obrigue seus visitantes a tirar os sapatos para entrar em sua casa? E outra pessoa que não coloca a mão diretamente em maçanetas ou corrimões?

Há também aqueles que só aceitam se os procedimentos ou comportamentos seguirem suas normas. Do contrário, brigam e são agressivos, mesmo se suas regras são absurdas ao senso comum. Um chefe assim ou uma mãe assim são verdadeiros terrores para se conviver.

Obsessão é a ideia fixa, geralmente de conteúdo desagradável e (auto)punitivo, à medida que a compulsão é o ritual que essa ideia obriga a pessoa a fazer.

Contaminação ou medo de contaminação impõe aos rituais de limpeza, como lavar as mãos exageradamente ou tomar banhos intermináveis. Medo de morrer ou ter alguma doença grave compele a procurar médicos sem necessidade ou mesmo a fugir dos profissionais de saúde. Sentimentos ligados a “passar a vida sem emoção” levam a compulsões sexuais ou ao abuso de drogas. O medo ou a certeza de ter um corpo feio incita a pessoa a horas de academia diariamente.

Os obsessivo-compulsivos estão em toda parte, isolam-se em seu inferno psíquico privativo ou se organizam em grupos de exercício descomedidos, excesso de drogas lícitas (beber para falar besteira e dar risada) ou ilícitas, hábitos alimentares de restrições exageradas, fanatismo religioso que leva a excesso de privação etc.

Nestas dinâmicas, há sempre uma ideia distorcida que obriga ao ato compulsivo de conteúdo restritivo ou autopunitivo e, muitas vezes, acontece o que chamamos de racionalização, ou seja, um discurso elaborado de “autojustificação”.

Tratamento? Em geral, um obsessivo pode ver o tratamento como algo que irá drogá-lo e prejudicá-lo. Por um lado, há pressão de familiares e amigos por ajuda, bem como a enorme resistência da pessoa afetada do outro lado.

Mas, então, quando alguém pede ajuda? Quando cansa de tanta ansiedade, a ponto de ficar muito deprimido e daí, já depressivo e exausto, “joga a toalha”.

 

TOC: Sinais de alerta

Saiba quando procurar ajuda profissional em relação ao transtorno de ansiedade que abrange atos e ideias repetitivos, ocasionando sofrimento

Obsessão

Ideia fixa, geralmente de conteúdo desagradável e (auto)punitivo. Intromissões persistentes de pensamentos, impulsos ou imagens indesejáveis, que geram ansiedade.

Compulsão

Ritual que a ideia fixa obriga a pessoa a fazer, de conteúdo restritivo e (auto)punitivo em geral. São impulsos irresistíveis que levam a executar certos atos, os quais reduzem a ansiedade.

Características

  • Pensamentos inoportunos, indesejáveis ou de conteúdo inaceitável, seguidos por ações repetitivas.
  • Medo de ser contaminado quando exposto a certos objetos, atitudes ou pensamentos.
  • Repetição de atos ritualísticos, como os de limpeza e/ou lavagem, que impactam negativamente nas relações sociais, familiares e profissionais.
  • Ordem, simetria, alinhamento ou exatidão tornam-se preocupações exageradas.
  • Conferir repetidamente: se o gás está ligado, se a porta está trancada, se a luz está apagada etc.
  • Dificuldade em quebrar rotinas ou descartar objetos sem utilidade, mantendo-os armazenados.

Por Dr. Carlos Neumann
Psiquiatra da Cruz Azul, Doutor em
Psicologia Clínica e Psicanalista da
Sociedade Brasileira de Psicanálise

 

MENU
Últimas Notícias
Cruz Azul de São Paulo
Av. Lins de Vasconcelos, 356 – Cambuci
CEP: 01538-900 – São Paulo – SP
(11) 3348-4000
Como Chegar
Prêmios & Certificações:
Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul
Links Úteis:
CBPM POLÍCIA MILITAR DE SÃO PAULO Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul Cruz Azul
Cruz Azul 1925/2018 © Todos os direitos reservados